Empatia Odontológica: Realmente devo implementar? Saiba tudo!

     A empatia, ou a falta dela, ainda que não pareça tão significativa se comparada à competência do profissional, pode ter um impacto imenso na satisfação do paciente. Afinal, quem não gosta de ser bem tratado?

     Apesar disso, a falta de atenção é um dos pontos que os pacientes mais se queixam na área da saúde, onde consultas rápidas, impessoais e com pouca conversa são alguns dos pontos mais levantados. Quando isso acontece em uma clínica odontológica, o paciente sai insatisfeito e o dentista perde a confiança do novo cliente.

     O conceito de empatia odontológica chega para resolver essa situação: Trata-se de uma forma de atendimento mais dedicada a ouvir as queixas do paciente e se colocar no lugar do outro.

     Empatia é a solução para pessoas com traumas e medos

     De acordo com um estudo realizado pela Associação Americana de Odontologia, é comum que uma parte da população sinta medo de ir ao dentista em algum momento da vida, onde a simples ideia de consultar um dentista pode ser um gatilho para a chamada “odontofobia”, condição que inclui sintomas como ansiedade, insônia ou mesmo pânico.

     Para esses casos, ter empatia no atendimento e no tratamento odontológico é fundamental para que o paciente consiga superar todos seus traumas, bloqueios e paradigmas já implantados a fim de manter a saúde bucal em dia.

     Veja a seguir algumas formas de implementar a empatia odontológica em sua clínica!

     Tudo começa com a chegada do paciente ao consultório

     Ter empatia odontológica não se restringe apenas ao momento da consulta: É preciso ter uma sala de espera confortável, evitar atrasos nas consultas ou procedimentos, oferecer a possibilidade de remarcação em curto espaço de tempo e, o mais importante, ouvir o paciente e compreende-lo como um todo.

     Além disso, é necessário escolher uma recepcionista educada e simpática, que tenha agilidade no agendamento e que seja bem treinada para responder a grande maioria das perguntas.

     Explique os procedimentos de forma simples

     Praticar a empatia durante um tratamento odontológico é colocar-se no lugar do paciente e propor a ele a melhor alternativa de tratamento. Nesse momento, é importante compreendê-lo como um todo: procure saber se ele sente desconforto ou medo de algum procedimento, quais suas queixas, como elas afetam seu cotidiano, sua saúde e seu bem-estar e o que ele espera ver ao final do tratamento. Somente assim, ofereça o tratamento mais adequado.

     Após esse processo, cabe a você, dentista, explicar os procedimentos de forma simples para que sejam facilmente compreendidos pelo paciente, que tem o direito de participar das decisões.

     Vele lembrar que oferecer formas de pagamento diversificadas ao paciente também é uma forma de demostrar empatia.

     Converse com seu paciente durante o tratamento

     Conversar com o paciente durante o tratamento o deixa mais tranquilo e seguro, além de estreitar os laços entre vocês. Você pode ainda ir explicando suas ações ao paciente, para que ele fique por dentro de tudo o que está sendo realizado.

     É válido, também, sempre terminar as explicações com perguntas do tipo: “tudo bem?”, “entendeu?” ou “podemos continuar?”.

     Acompanhe seu paciente durante o tratamento

     Acompanhar o paciente durante o tratamento, mesmo que a distância, é outra etapa do processo de empatia e humanização. Esse é um cuidado especialmente importante em procedimentos cirúrgicos complexos, como os implantes por exemplo.

     É dever do profissional acompanhar a evolução do tratamento e da adaptação do paciente, e essa assistência será fundamental para o sucesso do tratamento e para criar uma relação de confiança com o cliente.

     Conheça algumas vantagens da empatia odontológica!

     Ao fazer um atendimento atencioso e sem pressa, o paciente se sente confortável e seguro de que buscou o profissional certo, gerando uma maior satisfação.

    Com um acolhimento mais humanizado e menos automático, a fidelização dos clientes será um acontecimento natural, portanto, valorize seus pacientes e demonstre que a escolha não poderia ter sido melhor.

Deixe uma resposta