COLAGEM EM SUPERFÍCIES DE PORCELANA

      Com a maior demanda das pessoas por saúde e estética somada aos mais recentes avanços tecnológicos na Ortodontia, cada vez mais pacientes adultos estão buscando tratamento ortodôntico. Na verdade, nos últimos anos a percentagem de pacientes com mais de 18 anos que iniciaram tratamentos ortodônticos só tem aumentado, chegando, em algumas clínicas, a mais de 50% da clientela. Nesse cenário, os ortodontistas têm se deparado com o desafio de realizar colagem de acessórios em dentes que receberam restaurações cerâmicas (coroas, facetas, lentes de contato). Essa é uma tarefa desafiadora, mas utilizando-se os materiais adequados e seguindo os procedimentos necessários podemos conseguir uma colagem bastante resistente e que preserve a integridade e a estética do material cerâmico.

      Basicamente, há duas opções viáveis para se realizar a colagem sobre superfícies cerâmicas:

  1. Adesão por retenção mecânica através de condicionamento da porcelana com ácido hidrofluorídrico;
  2. Adesão por ligação química com a utilização de silano agente de união.

      O método mais utilizado certamente é o condicionamento com ácido hidrofluorídrico, mas ele apresenta algumas desvantagens: além de ser um ácido muito agressivo e exigir extremo cuidado no manuseio ele torna a superfície cerâmica áspera e porosa, semelhante ao esmalte condicionado pelo ácido fosfórico.

      Apesar de promover uma excelente adesão, esse método remove o glaze da cerâmica, o que compromete o seu brilho, e que depois será muito difícil de devolver à essa superfície, após o término do tratamento ortodôntico. Por essa razão, a utilização de um silano agente de união para a obtenção de uma adesão química torna-se extremamente interessante. Além de ser um método mais seguro, ainda promove ótima força de adesão sem o inconveniente de alterar a estética da superfície por preservar a camada de glaze da porcelana.

      Na Odontologia, o silano é um agente de união encontrado na forma de primers para porcelana. Existem diversos tipos de primers no mercado, mas geralmente são constituídos de etanol e silano, que cria uma união entre o silício da porcelana e o acrílico do material de colagem.

      A seguir, serão apresentadas as etapas para se realizar uma colagem eficiente e eficaz utilizando o primer para porcelana.

      Instruções

      Faça uma profilaxia com escova de Robinson, pedra-pomes e água na superfície que receberá a colagem.

      Promova um bom isolamento e controle de saliva para que não haja contaminação da superfície.

  1. Aplique ácido fosfórico sobre a superfície da porcelana. O ácido irá limpar e acidificar a superfície. Não lave o ácido! Apenas remova o excesso com uma gaze seca. O ácido fosfórico deve permanecer sobre a porcelana para que ocorra sua reação com o silano.
  2. Aplique o silano sobre a superfície acidificada com um aplicador microbrush. O silano deve ser aplicado imediatamente após a remoção do excesso de ácido. Aplique uma segunda camada de silano. Deixe a mistura de ácido fosfórico e silano descansar sobre a superfície durante um minuto. Nota: o silano para porcelana tem prazo de validade de 12 meses. Não utilize o produto se a data de validade expirar, pois o material pode tornar- se ineficaz com o passar do tempo. Mantenha o frasco bem fechado quando não estiver em uso.
  3. Após um minuto, lave minuciosamente e seque a superfície cerâmica. Mantenha-a bem isolada e livre de saliva.
  4. Agora, a cerâmica encontra-se coberta por uma camada mono-molecular de acrílico que é compatível à colagem com qualquer resina ortodôntica. Primeiro, aplique uma camada de agente adesivo sobre porcelana preparada e em seguida posicione o bráquete com resina aplicada à sua base.

      Remoção dos acessórios

      Ao final do tratamento ortodôntico, a remoção dos bráquetes metálicos ou de policarbonato deve ser realizada com alicates para remoção de bráquetes, da mesma maneira que se procede quando da remoção dos acessórios colados sobre o esmalte. Após a remoção, faz-se um polimento com material próprio para acabamento e polimento.

      No caso dos bráquetes cerâmicos, recomenda-se criar uma canaleta no corpo da peça, com uma fresa diamantada, para enfraquecê-la e, depois, utilizar o alicate para remoção de bráquetes. No final, realiza-se o polimento.

      Conclusão

      Com o método descrito, é possível alcançar uma colagem resistente e que não comprometa a integridade e a estética da restauração cerâmica.

Deixe uma resposta